Skip to content


O papel que falta aos sindicatos

Este é o artigo inaugural de uma série que vou escrever sobre a sociedade portuguesa. Algumas das ideias que vou expor têm anos de maturação (outras têm horas) e talvez possam ajudar alguém numa altura em que parece que este país está à espera não se sabe bem do quê…

Os sindicatos estão a morrer. Foram criados numa altura em que o poder entre patrão e empregado estava bem definido e do lado do patrão. Como consequência da falha de adaptar-se ao mundo actual, de margens mais curtas, grande flexibilidade para os mais jovens, onde o empregado passou de funcionário a colaborador (porque o salário deixou de ser razão suficiente para o trabalho eficaz), os sindicatos encontram-se numa posição perto da irrelevância, porque a maior parte dos sindicalizados são da geração mais velha que se encontra prestes a deixar o mercado de trabalho.

Os sindicatos podem ser úteis nos dias de hoje, embora precisem de mudar a sua lógica. Se o objectivo de um sindicato é garantir o trabalho dos seus membros deve passar para além de dar a conhecer os direitos do trabalho. As formas de lutas também precisam de passar de reivindicativas para formas mais inteligentes.

Assim, o que eu sugiro que um sindicato devia fazer:

  • Defesa dos Direitos dos Trabalhadores – esclarecimento aos seus associados de direitos e deveres no trabalho, apoio jurídico. Participação política na revisão de legislação que afecta os seus associados.
  • Bolsa de Formação – identificação e criação de planos de formação para os associados, garantindo a sua capacidade de continuar a trabalhar. Isto inclui desenvolver a capacidade de fazer um diagnóstico da empresa para não ser surpreendido numa situação de falha financeira (se um associado identificar os problemas antes de eles se reflectirem no seu salário, a empresa terá maiores probabilidades de continuar em funcionamento, ou o associado de se ir embora antes de ficar com salários em atraso). Também deve existir um foco em gestão de trabalho e do chefe (para o caso deste ser incompetente/desorganizado).
  • Outplacement – apoio a recolocação de associados. Um sindicato tem contactos em várias empresas e pode mais facilmente colocar alguém do que qualquer agente externo ou mesmo os RH da empresa. Em ligação com a bolsa de formação e um conhecimento . Numa situação de falência de uma empresa este papel provavelmente provocaria não só um assegurar dos associados, como um nível de gratidão a nível pessoal difícil de ser eliminado.
  • Wikileaks interno – o sindicato, não respondendo à empresa, pode servir de ponto de comunicação entre a gestão de topo da empresa e os seus associados, reduzindo o risco destes serem despedidos e garantindo que a informação chega a quem pode agir antes de ter efeitos que possam, em último caso, resultar no despedimento de grande parte ou mesmo a totalidade da força de trabalho.
  • Informação sobre o mercado – nos mercados em que actua o sindicato deve conseguir fornecer informação sobre as empresas e os seus principais desafios aos seus associados, promovendo assim a segurança que tem quem sabe o que se passa (versus o ser surpreendido com uma alteração no seu mercado específico).

Isto implica um refazer da estrutura sindical, uma vez que o sindicato funcional/vertical é praticamente inútil nesta estrutura. Justifica-se a sua existência para a função de “Informação sobre o mercado”, mas pouco mais. Os associados de um sindicato, cada vez menos, passam a sua vida num único mercado/indústria. E, mesmo nesses casos, raramente têm sempre o mesmo tipo de funções. É a essa realidade que até agora os sindicatos portugueses não se conseguiram ajustar. Espero que saibam fazê-lo.

Posted in Sociedade.


2 Responses

Stay in touch with the conversation, subscribe to the RSS feed for comments on this post.

  1. Bruno Amaral says

    Tenho estado para comentar este post…

    Quanto aos primeiros pontos, não podia estar mais de acordo. Só estranho é se os sindicatos ainda não fazem isso.

    A respeito do wiki é que já não ponho as mãos no fogo. Como é que podemos ter a certeza de que não ia ser mal usado?

    Se por outro lado colocarmos a importância de incentivar a transparência das empresas, então estou de acordo.

  2. mestrejoao says

    A proposta não era de um wiki, mas de um sistema de informação que dê confiança ao empregado e faça a informação chegar onde pode ser útil (a gestão da empresa). Sei de pelo menos uma situação em que um sindicato fez esse papel, com ganhos para todos os intervenientes.



Some HTML is OK

or, reply to this post via trackback.